Fale Conosco: (61) 9.9592-3632 (WA)

Preso estrupador que matou a menina Hadassa em Nova Iguaçu no Rio de Janeiro

Divulgação e foto de Marco Porto - O Dia
Divulgação e foto de Marco Porto - O Dia

Rio – Reynaldo Rocha Nascimento, detido por sua participação no desaparecimento da menina K.H.S., de apenas 4 anos, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, admitiu aos policiais ter violentado e assassinado a criança. Conforme as autoridades policiais, o criminoso relatou que a retirou de sua residência, consciente de que ela estaria sozinha. Subsequentemente, cometeu o ato violento contra a menor. Reynaldo afirmou, ainda, que para evitar ser descoberto diante dos prantos da menina, a estrangulou e ocultou o corpo em um saco de ração.

De acordo com as investigações, a menina foi morta nas primeiras horas de sábado (9), poucas horas após ser levada. Reynaldo foi localizado e agredido por moradores locais na manhã de domingo (10). “Policiais militares do 20° BPM (Mesquita) chegaram à residência do criminoso e evitaram que ele fosse linchado; a população estava enfurecida ao redor de sua casa. Aqui em nossa base, ele confessou formalmente os acontecimentos e indicou o local onde o corpo da menina foi abandonado. Ele narrou que, após o estupro, tentou cortar a garganta dela, mas a asfixiou devido ao choro e ao receio de ser descoberto pelos vizinhos”, esclareceu o delegado titular da DHBF, Mauro César. O criminoso foi conduzido à 56ª DP (Comendador Soares) e posteriormente encaminhado à Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF). O corpo da menina foi encontrado às margens de um valão, próximo à residência de Reynaldo, que é primo de Suelen da Silva, mãe da vítima.

K.H.S. estava desaparecida desde a madrugada de sábado (9), quando dormia com os irmãos de 7 e 8 anos no bairro do Cabuçu, em Nova Iguaçu. A mãe das crianças saiu por volta das 23h de sexta-feira (8) e deixou os filhos dormindo sozinhos em casa. Ao retornar, por volta das 5h do dia seguinte, não encontrou mais a criança. A família suspeitou que a menina havia sido sequestrada, mas ninguém relatou ter ouvido gritos ou percebido a presença de alguém na região.

Em repúdio ao crime brutal, vizinhos do indivíduo incendiaram a residência no início da noite deste domingo (10). A Polícia Civil informou que o criminoso foi detido temporariamente, visando o término das investigações. Contudo, as diligências continuam com o intuito de esclarecer mais detalhes sobre o crime atroz, assim como eventual responsabilização de outras pessoas.

Facebook
Twitter

PUBLICIDADE

ÚLTIMA POSTAGEM